13.11.09

Sexta,Capital

Sociedades não se medem em termos absolutos, pela razão que há pessoas que são mais que uma unidade, são muitos em um. A dificuldade é que “muitos” não é um número e daí não se saber ao certo qual a diferença que uma pessoa, que é muitos em um, faz. Mas sente-se. O país está a meio-gás, não porque metade da população está de baixa, mas porque pessoas e projectos bem identificados estão de baixa. Não porque se abateram, mas porque fogem. Vão para onde supõem estar seguras e confortáveis. O país está a meio-gás porque tá furado aqui e ali.

Cancelam-se bienais, viagens, adiam-se projectos. Entretanto Raiz di Polon perfaz 19 anos, bonita idade, e oferecem um ensaio aberto hoje, em sua sede. Apareça quem quiser. Entretanto nós os de cá, que não fugimos, ou não temos onde fugir, ou não queremos fugir, aguentamos as pontas, suportando os mesmos asnos e contentando-se com as mesmas pessoas e natureza. De todo o modo fugir para onde? Para onde haja gripes A ou outras bizarrias feitas em laboratórios? Para palcos de guerra? Para países onde já não somos mais bem-vindos? Onde se cultiva a intolerância?

Ontem minha amiga dizia que, o mundo fatalmente entra em fases de estupidez generalizada, aumentando a tensão até limites do insuportável, rebentam-se guerras e conflitos, para depois retomar-se os caminhos da normalidade e razoabilidade. Pois parece-me que o mundo anda nesta fase da estupidez generalizada, com modelos económicos que já pareciam naturais a colapsarem, com mais e mais doenças a aparecer todos os anos, com as abismais diferenças entre países e pessoas, mas sobretudo com a falta de vontade de nos entendermos, cada um a querer fazer vingar a sua lógica, ou achando arrogantemente que a sua lógica é A lógica. Não há onde fugir. Lutemos. Vão à vossa sexta, bebam a cerveja de praxe, mas saibam que não é tempo de relaxar.

16 comentários:

Anonymous disse...

esses tiros para o ar são para quem e para onde? já chateia não? "fazer coisas" não é atirar pedras para o ar...

Cesar Schofield Cardoso disse...

Também já me chateia Anónimos. Tamos quites.

Anonymous disse...

LOL (gargalhada verdadeira mesmo!). gato esteves.

Cesar Schofield Cardoso disse...

Rir é o melhor remédio :)

Saludos

Anonymous disse...

Muito interessante. Pena que voce não escreve nos jornais da Praça. Pense nisso!

Cesar Schofield Cardoso disse...

É só convidarem :)

da caps disse...

Faz falta no nosso meio o optimismo que o Bianda perpetua. E não é ironia.

O optimismo que advém da ideia de que nem todos nesta terra baixam os braços e falam da realidade do dia-a-dia, realidade essa que todos nós sabemos, mas não assumimos.
E, com uma humildade a que estamos pouco habituados.

E enquanto assim se mantiver, jovem, tens aqui um Frequent Passanger

Hugs, and enjoy a beer, afinal ainda assim é fds :)

Cesar Schofield Cardoso disse...

Cheers

Cesar Schofield Cardoso disse...

Lapso entre o 9 e 0 do teclado. Obrigado pela correcção

Anonymous disse...

optimismo? :) :) humildade? :) :) ok... :) :)

Cesar Schofield Cardoso disse...

Oi Paulino, bom ter-te por cá.

Bem, isto aqui não é nenhum manifesto, ou proposta concreta, como dizes. Naturalmente que já muitos contribuem fortemente para uma sociedade melhor, sendo bons no que fazem, não aceitando submissões a lógicas perversas e tal. O que me irrita na presente situação é que, há consequências tão estupidamente previsíveis. Há muito que oiço os mais diversos técnicos, de arquitectos-urbanistas a sociólogos, a "preverem" a evolução das coisas, todos muito desanimados porque o resultado dos seus trabalhos não tem tradução em acção e medidas. As coisas estão falhando em sectores básicos, como a saúde e a educação. Alguém não está fazendo seu trabalho. A minha proposta concreta, se me pedes uma, é: vamos identificar qual é o ponto do processo que está falhando e vamos chamar os bois cada um pelos seus nomes. Vivemos muita incompetência e é preciso nomear os incompetentes.

Já me tinhas falado efusivamente deste livro e estou cada vez mais curioso. Por falar em livros, eu não sabia, há umas tantas publicações, estudos sobre a cidade da Praia, estudo de casos concretos, documentação de intervenções, como o projecto de requalificação do bairro da Bela Vista, com textos de especialistas, fotos, mapas, gráficos, tudo. Espanta-me que exista esse material e não seja de conhecimento do grande público. Espanta-me que esses estudos não sejam vivamente discutidos em esferas políticas. Espantam-me que ainda não exista uma Plano Director para a cidade da Praia. Espanta-me brutalidades como o que está acontecendo na Quebra-Canela, silenciosamente. No contexto do meu texto, a proposta concreta é lutar contra o discurso irresponsável.

A Sexta foi passada em casa, sem a tradicional cerveja, trabalhando muito para uma coisa que hei de lançar o convite entre segunda e terça. E que apareças, opines e faças ouvir a tua grande voz! Isto é uma intimação concreta :)

Mendes Garcia disse...

Caro Cesar,
Concordo consigo neste ponto.
"Por falar em livros, eu não sabia, há umas tantas publicações, estudos sobre a cidade da Praia, estudo de casos concretos, documentação de intervenções, como o projecto de requalificação do bairro da Bela Vista, com textos de especialistas, fotos, mapas, gráficos, tudo. Espanta-me que exista esse material e não seja de conhecimento do grande público. Espanta-me que esses estudos não sejam vivamente discutidos em esferas políticas."

Imagine que organizam autênticas cimeiras de Jovens Investigadores em Cabo Verde,onde jovens Universiários aproveitam para dar a conhecer as suas investigações,vulgo Teses, e não se aproveita as recomendações.Continuamos a falar para o boneco.Chegou a hora de romper...Agora ou Nunca!Caso contrário a herança vai ser pesada.

Abraço

Anonymous disse...

Post com muita coisa "escondida" e muita coisa a querer ser falada mas que está entalada na garganta. A culpa é dos "outro" ? A culpa agora é dos que não da Praia ?? Pelo amor de Deus ! Bairrismo do César é tão chique ...

Cesar Schofield Cardoso disse...

Oi Paulino

Eu não faço outra coisa senão participar em colectivos. Mas, infelizmente, não somos dados a colectivos. Temos mais o que fazer, temos sempre um compromisso que justifique a nossa falta de participação, deixamos sempre para o outro fazer, etc. Já tivemos o blogjoint, uma colaboração entre bloggers, que desvaneceu-se naturalmente, após cumprir um tempo a desafiar e a provocar. Estou tendo uma teoria que, em CV, já que colectividades não funcionam, a solução é apelar muito a individualidades. Há muita gente que prestaria um bom serviço a nação tendo um blog. Tu não estás perdoado por tirar o teu do ar. Imagina blogs especializados de biólogos, juristas, economistas, engenheiros civis, informáticos, mas VÁRIOS!

Seriam já um bom coro de vozes.

Pss disse...

Um bar ?? E o bar serviria o quê ? Chá de mot, leite de cabra fresq, aga de tumbarina ...

Nkrumah quer dizer Paulo Santos Silva

Pss disse...

Não que não se pode beber alcool quando se vai apresentar propostas. Aliás tenho por mim que há Leis por ai como a Lei do Imposto de Selo que quando foram apreentados e aprovados se os deputados só bebessem água de tumbarina ao almoço não teriam passado.